quarta-feira, 16 de novembro de 2016

RESENHA - ILUMINURAS - ARTHUR RIMBAUD


Ler e escrever sobre Arthur Rimbaud, enobrece e endoidece minha alma.
Antes dos devaneios poéticos, conheceremos um pouco mais sobre esse verdadeiro gênio indomável.


Mini – Biografia:

Arthur Rimbaud (1854-1891) foi um poeta francês que exerceu grande influência na poesia do século XX. Foi considerado um dos precursores da poesia moderna. 

Escolhi o livro Iluminuras para resenhar.

Sinopse:

Iluminuras (gravuras coloridas), publicado pela primeira vez em 1886, é um dos textos fundadores da poesia moderna e o testamento poético de Arthur Rimbaud (1854-1891). Escrito em parte durante as temporadas em Londres, com seu gosto pela ambiguidade e polissemia, Rimbaud escolheu como título uma palavra inglesa que significa, simultaneamente, tanto iluminações (no sentido de inspiração ou percepção súbitas) quanto iluminuras (gravuras coloridas, acepção reforçada pelo subtítulo), manuscritos “iluminados” (decorados e ilustrados com formas, desenhos, figuras). Ou, ainda, em referência às luzes urbanas artificiais, fogos de artifício e técnicas de iluminar cenários teatrais. Título mais que adequado para uma poesia multifacetada, visionária e que até hoje testa a imaginação dos leitores.
  
Resenha

A poesia já teve seus diversos modelos tradicionais, Rimbaud quando surge em vida, ou a vida surge nele, acontece uma ruptura na literatura, aliás, o poeta desorganiza as estruturas poéticas, quebra as regras de versos e métricas, e traz na prosa, seu sentido maior.
Esse livro é considerada sua obra – prima, um momento onde a linguagem fragmenta a novos ares e territórios, indo para além deste planeta, alcançando novas gerações de leitores multiplicando nossos sentidos para além e aquém...
Na sua obra suas poesias falam sobre o todo e tudo, de uma forma que caçoa a existência humana. Rimbaud enjaula as palavras com sua riqueza execrável, onde passado e presente gritam concomitantemente.
Somos brindados com um assassino da poesia, e um renascido das cinzas da sua alma. Entrar em contato com o Livro Iluminuras jaz pensamentos como: Leitura obrigatório no ensino escolar. Sonho. Sonho ilusório.
Selecionei essa poesia, para expor meu sentimento maior ao poeta e sua pauladas:
  
ANTIQUE

Gracioso filho de Pan! Em volta de tua fronte coroada de florzinhas e bagas teus olhos, gemas preciosas, se movem. Manchada de fezes cinzas, a cova das faces. Tuas presas reluzem. Teu peitinho parece uma cítara, sininhos circulam no bronze dos teus braços. Teu coração bate nesse ventre onde dorme o duplo sexo. Passeie pela noite, mexe essa coxa, docemente, mexe essa outra, e essa perna torta.

Para finalizar Rimbaud arrouba a poesia com um cálice de vinho.
Recomendo sua leitura.
Até meus jovens.
Sejamos um cacete cheio de espinhos poéticos.






Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário