terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

ESTRADA







Um fio silencioso,
uma estrada com desapontamentos...
com a face da injustiça
Alma sem discernimento.


eu choro acabada!
Com um passado lamurioso
meu reflexo é tenebroso,
alguns passos, minha estrada!

Sou um paradoxo de sólidas verdades,
Onde os frutos revelam quem sou...
sou um galho seco sem idade
Uso o vento e vou...

Minha estrada a ponte da sabedoria
Angustiante, triste, perfeito.
Eu escrevo e reescrevo,
Uma vida, a minha, um leito!
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário