segunda-feira, 13 de março de 2017

Omissão


Parei para observar ao meu redor
Que decepção...
Todos se contentam com essa vida
Aceitam tudo que lha fazem

Nasceu nem sociedade de merda
Onde é apenas uma base
Vivem na miséria 
Com suas regras e doutrinas

Quando olho para muitos
Só consigo ver fantoches
Carnes humanas sendo controladas
Por alguém da mesma espécie

Seres sem atitudes
Que de tantas ordens parecem robôs
E para se distraírem 
Fazem coisas inúteis sem valor algum

Destroem uns aos outros
Uma ambição e ganância do inferno
Nesse mundo de sobreviventes
O mais forte sempre vence

Dependem do nada
Reclamam de tudo
E para mudar, se calam na mesma hora
Raiva me consome só de pensar

Seres sem iniciativa 
Que não sabem pensar
Vontades dar é de torturar
Ou até mesmo matar

Mas o ódio que me toma 
Ao observar tudo isso
É saber que faço parte
Desta maldita humanidade.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário